A Universidade de Newcastle, na Austrália, anunciou uma vaga de bolsa de estudo cujo o objeto de pesquisa é o heavy metal.

São oferecidas três bolsas de doutorado diferentes, duas para australianos e uma para alunos estrangeiros. Cada uma no valor de cerca de R$ 73 mil por ano para estudar a antropologia de culturas marginais da sociedade. As teses devem estudar o surgimento do heavy metal no hemisfério norte e como o gênero chegou na Austrália.

O projeto do estudo já foi desenvolvido, e apresenta sete perguntas centrais a serem respondidas sobre o heavy metal:

“quais temas as letras de bandas de metal australiana adotaram?”;

“São culturais e geograficamente únicas do continente?”;

“Qual é a relação entre a evolução cultural do heavy metal na Austrália e o colonialismo?”;

“O heavy metal australiano é um fenômeno majoritariamente branco? Qual foi a resposta para a diversidade na cena?”;

“Como o gênero é visto dentro da cena do metal na Austrália?”;

“Qual é a reputação que os fãs de metal têm dentro do contexto australiano? Isso impacta no tipo de espaços que os fãs querem utilizar?”;

“Como a geografia do país, comparada a outras cenas contribuiu ou atrapalhou sua aceitação cultural?”;

“O que existe no heavy metal australiano que o torna tão distintivo?”.

Podemos ver o cunho acadêmico sério só pelas questões apresentadas, então, obviamente não é nenhuma balbúrdia.

Simon Springer, diretor do curso falou sobre esta oportunidade aberta:

“Como um fã de metal durante toda a vida que recentemente começou a estudar o assunto, achei que seria um bom começo para aproximar a minha pesquisa. E claro, quando eu era estudante, iria adorar que alguém me dissesse que estudar o heavy metal é academicamente válido.”

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.