A importância de Udo Dirkschneider para o metal é incontestável. Seja com o Accept ou sua banda U.D.O. o cara é um bastião do metal mundial.

Seus trabalhos, ainda que bem similares, são todos ótimos, sem bolas na trave, e isso se deve muito não só pelo carisma e o timbre inconfundível do vocalista, mas também pelo fato de sempre contar com músicos de excelência ao seu lado.

E é exatamente isso que temos neste novo trabalho, conceitual, que conta com a participação da Banda Militar das Forças Armadas Federais Alemãs (Das Musikkorps der Bundeswehr).

Ao contrário de outros discos nessa pegada, onde as partes orquestradas são apenas encaixadas nos “buracos”, aqui todas as 15 faixas foram compostas em conjunto com os músicos da banda militar, o que deixou o trabalho todo com uma sonoridade grandiosa e coesa.

Os coros se combinaram muito bem com a voz agressiva e esganiçada do alemão, e ainda conta com vocais femininos que deixam as passagens ainda mais melodiosas.

Na parte instrumental, além do peso e a agressividade da boa e velha escola alemã de heavy metal e clima cinematográfico proporcionado pelas linhas orquestradas, temos elementos de música celta, algumas pitadas de Pop Music e até um saxofone classudo na musica “Neon Diamond”.

O disco como um todo é muito agradável e merece ser “degustado” com muita atenção para se apreciar por completo

Pai da Lucy, baixista do Souls of Rage, guitarra e vocal do Covah e headbanger fanático, atuou em diversas frentes da cena underground nacional, desde trabalhos de roadie, técnico de som e produção, até editor e apresentador do extinto programa Metaslpash na AllTv.