Apenas para deixa-lo atualizado rapidamente, se você não está a par do que houve entre a vocalista do Arch Enemy Alissa White-Gluz e sua antiga banda The Agonist, eis o que aconteceu.

Antes de Alissa ingressar no Arch Enemy, ela fez seu nome no The Agonist, que ajudou a co-fundar em 2004 (então conhecido como Tempest). Ela anunciou em março de 2014 que seria a nova vocalista do Arch Enemy. No mesmo dia, o The Agonist anunciou que eles recrutaram Vicky Psarakis e que Alissa não estava mais na banda, mas desejou a Alissa o melhor em seus futuros empreendimentos.

Isso pegou Alissa desprevenida, pois ela alegou ter começado a escrever letras de músicas novas para o The Agonist e estava pronta para gravar, mas seus “ex-colegas de banda decidiram escolher um caminho diferente”. Ela finalmente foi ao podcast de Jamey Jasta e aprofundou-se sobre o seu lado da situação. A banda viu essa declaração e decidiu lançar um romance próprio, passando por cada uma das etapas pelas quais se separaram de Alissa.

A versão curta disso é que ela estava mantendo o resto da banda no escuro, chegando ao ponto de nem dizer o nome da banda que ela estava fazendo um teste, e quando eles tiveram que cancelar uma grande turnê, a banda ligaram para a gravadora (também gravadora do Arch Enemy) e o pessoal da A&R estava presente o tempo todo e disse a eles que Alissa estaria realmente ocupada e que eles poderiam considerar encontrar uma nova vocalista.

Agora que estamos todos no mesmo ponto, o The Agonist está se preparando para lançar seu sexto álbum de estúdio, “Orphans”, em 20 de setembro pela Rodeostar Records e Vicky Psarakis foi entrevistada pela Rock Confidential para promover o álbum. Quando lhe perguntaram o que levou tanto tempo para o álbum ser lançado, ela revelou que a banda tinha dificuldade em encontrar um selo:

“Basicamente, o principal é que não tínhamos um selo na época. E isso é por razões além da música. Muitas coisas acontecem com as quais eu pessoalmente não ligo. Eu não ligo mesmo. Eu estou aqui para escrever músicas e cantar. Algumas pessoas por aí não querem que lançemos este álbum e continuamos tentando e tentando e quase pensamos em lançá-lo por conta própria – o que não é uma decisão inteligente nos negócios, mas acho que depois de seis meses ficamos frustrados e emprerrados nesse álbum, que é tão bom e não podíamos fazer nada a respeito. Então a Napalm nos procurou nos propondo lançá-lo sob um sub-selo deles chamado Rodeostar e, no que diz respeito a nós, estamos usando os mesmos recursos da Napalm – a mesma equipe, as mesmas mídias sociais. “

Quando pressionada sobre quem era a pessoa a quem ela estava se referindo, ela revelou que era a ex-vocalista Alissa White-Gluz:

Eu acho que está tudo bem se eu falar abertamente sobre isso. Eu não sou o causador do drama, mas acho que para quem está por aí assistindo e meio que vendo o que está acontecendo, acho óbvio que a pessoa que está tentando nos impedir é Alissa [White-Gluz]. No começo, ela fazia muito através de entrevistas e falava muito mal sobre os membros da banda. Isso é super estranho para mim, porque ela é uma pessoa que eu nunca conheci na minha vida, então é estranho eu estar falando sobre isso. Não há como saber até que ponto seu alcance poderia impedir a banda. Eu definitivamente sei algumas coisas que ela fez e outras são apenas especulações. Então, eu não quero botar tudo pra fora, mas vou dizer que ela está tentando matar essa banda desde que foi demitida. “

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.