O HeavyMetal.dk conversou recentemente com o vocalista do Sabaton Joakim Brodén e discutiu o último álbum da banda, The Great War, bem como o foco da banda em eventos históricos em suas composições.

Durante o papo, um dos pontos explicados fora as acusações de serem partidários nazistas:

“A primeira vez foi quando lançamos o Primo Victoria. Foi proibido na Alemanha porque a primeira música, a introdução foi ” Through the gates of hell, as we make our way to heaven, through the Nazi lines… ” (‘Através dos portões do inferno, enquanto fazemos nosso caminho para o céu, através das linhas nazistas…’) E basicamente tinhamos a palavra “nazista” na introdução. Tivemos que enviar a letra do álbum inteiro e eles passaram na censura, então ela foi lançada e a gravadora nos disseram: ‘Para o próximo álbum, faça o que fizer, não coloque a palavra’ Nazi ‘na introdução . ‘ Então ao invés disso colocamos a no primeiro verso.”

Também já fomos banidos. Deveríamos tocar no 70º aniversário da Batalha de Stalingrado, em Volgogrado, e eles renomearam a cidade naquele dia para Stalingrado novamente, e fomos banidos. Estávamos agendados para jogar, mas um político local viu ‘The Ghost Division’ e pensou: ‘Esses caras devem ser nazistas’ e tiraram nossos vistos para que não pudéssemos entrar no país “.

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.