Em 2010, uma empresa de pesquisa de Massachusetts chamada Knome usou uma amostra de sangue retirada de Ozzy Osbourne para mapear seu código genético e tentar descobrir como ele sobreviveu depois de anos abusando de drogas e álcool. Pesquisadores da Knome esperavam que a análise do sangue e do DNA do Ozzy lhes desse uma visão de como as drogas são absorvidas no corpo e por que algumas pessoas podem sobreviver ao abuso extremo de substâncias enquanto outras não. Eles descobriram uma mutação nunca antes vista que pode explicar a capacidade de Osbourne de consumir álcool em grandes quantidades e muitas variações genéticas que o predispuseram às dependências de drogas e álcool.

Em seu novo livro, “Pleased to Meet Me: Genes, Germs and the Curious Forces that Make Us Who We Are” (National Geographic), Bill Sullivan, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Indiana, escreve que “Ozzy é de fato um mutante genético “. Sullivan olha para as formas surpreendentes que são moldadas pelo nosso DNA e fatores biológicos que afetam dramaticamente como nossos genes são expressos.

Embora esteja sóbrio agora, Ozzy calcula que usou drogas e álcool por mais de 40 anos, segundo a Rolling Stone.

Ele também sobreviveu a um acidente de bicicleta em 2003, no qual ele quebrou o pescoço e foi diagnosticado há alguns anos com um distúrbio genético semelhante à Doença de Parkinson.

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.