A história foi feita na Arábia Saudita, quando a banda grindcore Creative Waste fez o primeiro show público de metal na história do país. A apresentação é um gigantesco passo rumo à maior liberdade de expressão criativa no país notoriamente repressivo, que enviou músicos para a prisão no passado apenas por tocar.

O cenário underground da Arábia Saudita opera desde 2009, com Al-Namrood subindo como a banda de metal mais popular e provocadora da Arábia Saudita. A Creative Waste também se estabeleceu como a única banda de grindcore de toda a Arábia Saudita, sendo arrasadora em shows privados desde seu início.

Em 25 de outubro de 2019, no entanto, o metal chegou à superfície no Bohemian Art Cafe em Khobar.

“Antes do show, as pessoas, especialmente as bandas, estavam céticas na maioria do tempo, porque eles vieram da geração antiga”, disse o vocalista Fawaz Al Shawaf ao Metal Injection. “Muitos deles estavam sendo conservadores. Eles estavam preocupados. Ninguém está pronto para correr o risco. Mas quero dizer, aqueles que organizaram o show são na verdade basicamente iniciantes e jovens. Eles nem sabiam o que era o grindcore ou o death metal. Eles nem sequer gostavam de música extrema, mas nos contataram e eu pensei que a ideia era tão louca que aceitei porque isso é parte da mudança.”

A Creative Waste promoveu livremente seu show em país de origem, que também contou com a banda de doom metal Shamal e a banda instrumental Madani Zakari. Porém, como um veterano em música há 20 anos, Al Shawaf não tinha certeza se o show realmente aconteceria.

“Antes costumava ser apenas nós organizando e pessoas de Jeddah. Era um círculo fechado, apenas pessoas dentro da comunidade do metal. E então as pessoas do nada começaram a aparecer e a organizar shows. Foi aí que os problemas começaram a acontecer. Um deles foi preso por um ano. O outro, como ele não era saudita, foi deportado para a Síria e colocado na lista negra. E depois disso a cena do metal parou completamente, porque agora eles viam que apostar nisso era um risco muito alto.”

Al Shawaf

Parabéns às bandas envolvidas nesse ato de resistência histórico! E pelas bandas de cá, lamento por quem não conseguir refletir profundamente sobre como o metal é e sempre será uma contra cultura, subversivo e de contestação!