O canal Games, Brrraaains e A Head-Banging Life recentemente conduziu uma entrevista com o guitarrista Karl Sanders, do veterano grupo de Brutal Technical Death Metal da Carolina do Sul, NILE. Você pode ouvir o áudio inteiro abaixo. Seguem alguns trechos (transcritos pelo BLABBERMOUTH.NET e traduzidos pela REDE MEAL).

Sobre ainda tem a sensação de empolgação antes do lançamento de um novo álbum de estúdio do NILE:

Karl: “Sim, com certeza. Toda a gama de emoções entra em jogo, por antecipação, pavor, emoção, imaginando se os fãs vão gostar do disco. Os jornalistas vão facilitar ou dificultar pra gente? Eu não estou tentando dar indiretas. Eu juro por Deus. [risos] Mas agora na banda, estamos felizes, é o mais feliz que já estivemos em anos. O trabalho em equipe, a irmandade acontecendo conosco é tão refrescante. Sentimos que nos foi dada uma segunda chance, talvez até renascido. “

Por que ele sente que o NILE “renasceu”:

Karl: “Eu acho que é evidente nas próprias faixas. Toque esse álbum, [e] você poderá sentir o fogo, a pura alegria metal da violência nisso. Isso é real. É uma coisa tangível. Você pode ouvir porque é real. Você não pode enganar o público de metal de qualquer maneira. O público de metal sabe a diferença; eles sabem o que estão ouvindo. E quando você vai a um show, um público de death metal está de pé dois passos na sua frente Eles sabem. Eles sabem o que estão ouvindo. Você não pode mentir para eles, você não pode enganá-los, você não pode tentar fazê-los acreditar que é algo diferente do que realmente é. O público pode ouvir. E você pode ouvir nessas faixas, sim, é uma banda rejuvenescida, revigorada, revitalizada “.

Sobre o processo de composição do último álbum do NILE, “Vile Nilotic Rites”:

Karl: “O nível de colaboração, cooperação, confiança, fraternidade, foi realmente um grande benefício colocar todos na mesma página novamente. Não temos isso há tanto tempo que foi emocionante e fresco para nós, como, nos tempos de ‘[Amongst The Catacombs Of] Nephren-Ka‘, quando tivemos aquele incêndio juvenil, aquela fome, que ‘Sim, vamos tocar nossa música e vamos trazê-las para as pessoas Foda-se! ‘”

Sobre o por que dele estar determinado a continuar levando o NILE adiante:

Karl: “Olho para meus colegas e proximos, e muitos deles já estão preocupados com a nostalgia, vivendo no passado. Como desejar os dias de glória e tentar revivê-los. E enquanto concordo que devemos permanecer fiel aos ideais e filosofias originais do death metal, isso não significa que tenhamos que viver no passado. Estou interessado no que podemos fazer agora. O que podemos fazer hoje, com esta nova formação. Eu já sei o que a antiga formação do NILE pode fazer. Essas eram ótimas formações, todas elas à sua maneira, exceto uma. Mas o importante é o que você pode fazer agora. Quero fazer metal hoje. Eu já fiz isso ontem. Qual é o sentido de fazer o que já fizemos? Já fizemos isso. Há um território novo e novo para conquistar. “

Sobre a direção musical de “Vile Nilotic Rites”:

Karl: “Eu diria que este novo álbum, ele realmente tenta abranger tuda a banda que hoje é capaz, o que é um espectro bastante amplo. Há muita variedade de vários tons de estilos de death metal neste álbum. Há coisas complexas. , há coisas pesadas, coisas rápidas, coisas lentas. Há muitas influências de uma ampla e diversificada seleção de música, evidente nessas faixas. Então, eu não chamaria isso necessariamente de ‘registro divertido’, embora estamos nos divertindo. Não é um disco divertido como ‘O que não deve ser descoberto’. É como ‘Queremos ver o que essa formação, o que esse grupo de pessoas pode fazer’ ”.

“Vile Nilotic Rites” foi lançado em 1 de novembro via Nuclear Blast. O disco foi gravado e produzido por Sanders no Serpent Headed Studios em Greenville, Carolina do Sul, com exceção da bateria gravada no Esoteron Music Studios em Atenas, Grécia, com engenharia gerenciada por Jim Touras e George Dovolos. O álbum foi mixado e masterizado por Mark Lewis no MRL Studios. Para a capa do álbum, a banda retornou com as artes de Michal “Xaay” Loranc, que trabalhou com a banda por mais de 10 anos!

Capa e faixas de “Vile Nilotic Rites”:

1.Long Shadows of Dread04:07
2.The Oxford Handbook of Savage Genocidal Warfare03:09
3.Vile Nilotic Rites03:28
4.Seven Horns of War08:48
5.That Which Is Forbidden05:35
6.Snake Pit Mating Frenzy02:48
7.Revel in Their Suffering05:44
8.Thus Sayeth the Parasites of the Mind01:42
9.Where Is the Wrathful Sky04:40
10.The Imperishable Stars Are Sickened08:00
11.We Are Cursed06:53