O mosh pit fez uma pesquisadora do University College London, Lindsay Bishop, passar três anos em turnê com bandas como Fear Factory, 3Teeth, Mortiis, Pig e Combichrist e entrevistar centenas de fãs de metal para chegar a uma conclusão muito estranha. De acordo com Bishop, o ato de moshing imita uma forma de rituais controlados realizados por tribos indígenas da floresta tropical em Papua Nova Guiné.

Mosh pit é uma forma de caos controlado onde as pessoas seguem regras tácitas que são transmitidas de geração em geração. Veja mais sobre o estudo, cortesia do The Daily Mail.

“Bishop descobriu que as gerações mais antigas de fãs de metal transmitem a etiqueta e comportamento dos mosh pit aos recém-chegados e às gerações mais jovens. Ela disse que isso garante um ambiente de “caos controlado”, incluindo um entendimento implícito de que “moshing” não é uma luta, mas uma maneira de aliviar a tensão. ‘Regras não ditas’ descrevem que o pit é voluntário, sem pressão para se juntar, e que aqueles que caem devem ser reerguidos imediatamente. ”

Bishop diz que a comunidade do metal não é tão brutal quanto o de fora pensam, e diz que é mais uma “comunidade complexa, inclusiva e global que agora engloba várias gerações”.

“A camaradagem compartilhada, a etiqueta, a camaradagem e a catarse espelham tradições de comportamento semelhantes às comunidades tribais papuas”, disse ela. Convenções da cultura de Malangan, na qual objetos e esculturas compartilhadas são usados ​​para lembrar eventos passados, paralelos à coleção de camisetas antigas, ou parafernália de bandas como baquetas ou palhetas jogadas do palco. ”

Então é tudo mais complicado do que você pensou!

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano apreciador de shows, e uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.