Em entrevista recente à rádio americana WZZR transcrita pelo Blabbermouth, o baixista Jason Newsted disse que “gostaria de receber algum crédito” pela estabilização do METALLICA. O músico entrou na banda após a morte de Cliff Burton, em 1986, e ficou até 2001.

“Foi trabalho duro, não era para qualquer um, mas, caramba, o que fomos capazes de conquistar. Tínhamos a combinação certa de pessoas na hora certa e a quantidade certa de pessoas para nos ver no mundo. Foram todos os dados demográficos, políticos e tudo que nos levaram onde chegamos”, afirmou, inicialmente.

O músico disse que foi criada uma estabilidade após uma grande ruptura, que foi a morte de seu antecessor.

“Eles poderiam não ter feito mais nada, mas seguiram em frente e eu entrei para dar essa propulsão. É algo maior que nós mesmos. […] Foi o que pude ser. Eu apareci: o primeiro a chegar, o último a sair. Sempre tive essa mentalidade, por isso chegou onde chegou. Foi assim que aquele heavy metal, com aquele peso, chegou às rádios”.

Newsted deu créditos a bandas como AC/DC e Iron Maiden, que possibilitaram ao Metallica desempenhar seu trabalho, especialmente na estrada, da forma que foi feito. Em seguida, fez elogios ao que a banda segue fazendo.

“Os caras continuaram levantando a bandeira. São 36 anos e eles ainda podem lotar qualquer estádio em qualquer país, com músicas agressivas. Você pode entender a Whitney Houston, UB40 ou o Bob Marley fazer isso”.

Ao comentar sobre sua saída, Jason Newsted disse que isso permitiu que os colegas pudessem continuar.

“Eles não estariam fazendo o que fazem agora se eu não tivesse saído, sabendo que era o melhor para todos. Se eu fui profético e antecipei esses acontecimentos… eu sabia dos problemas das pessoas”, afirmou, em menção aos anos de turbulência que o Metallica vivenciou após ele deixar a formação.

“(Eu pensei que) Precisávamos de sair de cena um pouco, para permitir que todos… ‘não, não queremos sair de cena, queremos sair por aí e detonar’. Então, eu decidi sair e eles quiseram seguir. Mas eles tiveram problemas por alguns anos e não fizeram nada por causa disso. Então, se tivessem ouvido o que falei, teríamos esse período de folga, voltar e fazer o que foi feito. Mas não era para ser assim. Agora, o que aconteceu com eles fisicamente… eu não poderia estar na banda do jeito que eles queriam”, afirmou.

Confira a entrevista, na íntegra (em inglês e sem legendas), no vídeo a seguir.

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.