Enquanto o mundo tenta se ajustar ao odioso termo “novo normal” desde que a pandemia de coronavírus se instaurou, os shows de drive-in são algo que a indústria do entretenimento está experimentando. Enquanto alguns artistas estão dispostos a fazer praticamente qualquer coisa para fazer um show, Robb Flynn, do Machine Head, não se enquadra nessa categoria.

Sem nomear o artista em particular, Flynn explicou recentemente a Kerrang! que ele assistiu a um show de drive-in e não ficou satisfeito. “Foi a merda mais estúpida que eu já vi”, declarou ele.

“Se as bandas cover querem fazer essa merda, é legal. Eles devem se divertir. Mas o objetivo principal de um show do Machine Head é ter essas 5.000 pessoas gritando cada palavra, pressionadas contra a grade, ficando suadas e empilhadas em gigantescos bate-cabeça – aquela liberação catártica de energia “.

O vocalista acrescentou que, se os shows de drive-in forem a única maneira de ele tocar, ele esperará até que haja mais opções. Mas ele não acha que vai durar pelo menos alguns anos.

“Não sei se as coisas voltarão ao ‘normal’ novamente. Eu acho que essa pandemia pode durar pelo menos dois anos – chegando em ondas, melhorando no verão e pior quando voltamos à temporada de gripe – então pode levar mais dois anos para que as pessoas superem esse choque de ter foi trancado por tanto tempo. “

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano apreciador de shows, e uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.