O vocalista do Ratos de Porão, João Gordo, compartilhou algumas de suas reflexões sobre política e a respeito do momento atual, de pandemia, em entrevista ao canal de YouTube Meteoro Brasil. Notório por não esconder seus pontos de vista, o cantor lamentou o período vivenciado no país atualmente.

Ao ser perguntado sobre a oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro, de quem é crítico, João Gordo respondeu com uma provocação. Para ele, a esquerda dos dias contemporâneos é “tosca, cirandeira e bunda-mole”.

“(A esquerda atual é) Tosca, cirandeira, bunda-mole pra c*ralho. É dividida. Por isso, não consegue fazer nada. Os caras (apoiadores de Jair Bolsonaro) com fake news conseguem passar o pé em todo mundo. E continuam passando o pé e tirando um pelo f*dido da nossa cara”, afirmou, conforme transcrito pelo Whiplash.Net.

Em seguida, Gordo fez menção à notícia de que o senador Flávio Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, comprou uma mansão de quase R$ 6 milhões em Brasília. O político é investigado por suspeita de realizar “rachadinha”, desvio de salário de assessores parlamentares, enquanto exercia mandato como deputado pelo estado do Rio de Janeiro.

“O cara comprou uma mansão de R$ 6 milhões. É a mesma coisa que passar o p**to na nossa cara. Está tirando grandão. Esse pessoal vai pagar. Os filhos da p*ta fascistas um dia pagaram, mas uns não”, declarou.

Após mais algumas reflexões sobre o momento político brasileiro, o vocalista do Ratos de Porão também tirou sarro de quem reduz seu posicionamento ao de alguém vinculado ao Partido dos Trabalhadores (PT). “Ou eu tô louco? Sou petista, sou cubano, vai pra Cuba, Venezuela, Lei Rouanet?”, comentou.

Em seguida, Gordo se relembrou de uma situação onde sentiu que uma pessoa o provocou em um local público. “Esses dias, eu cheguei no dentista, tinha um cara que me reconheceu e teve até um choque. Sentei, o cara pegou o telefone, fingiu que ligou para um amigo e começou: ‘é, esses petistas filhos da p*ta, que o Lula, não sei o quê’. O cara falou todos os chavões de WhatsApp de tiozão. Falou de Lei Rouanet, Foro de São Paulo, URSAL e tudo em voz alta, para me atingir”, afirmou.

E qual foi a reação de João? “Pensei: ‘mas que filho da p*ta’. Daí fui no celular, peguei o death metal mais barulhento que tinha e coloquei altão. […] Como pode ser mau caráter desse jeito?”, concluiu.

A entrevista ao Meteoro Brasil pode ser assistida, na íntegra, no player de vídeo a seguir.

Rede Metal no Instagram:

Avatar
Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.