O podcast Music Mania conduziu uma entrevista com o guitarrista Oscar Dronjak, do HAMMERFALL, antes do show da banda em 25 de outubro no Riot Room em Kansas City, Missouri, em apoio ao SABATON. Você pode ouvir a conversa inteira no vídeo que está no fim do post. Seguem alguns trechos (transcritos pelo BLABBERMOUTH.NET e traduzido pela REDE METAL).

Sobre se ele acha que o público americano demorou a adotar o HAMMERFALL:

Oscar: “Nós vivemos por 22 anos e o heavy metal, a maneira como tocamos, o material melódico, no final dos anos 90 e durante grande parte dos anos 2000 também foi… eu não sei, isso não foi considerado [risos] bem. Se você tinha uma banda que estava cantando com vocais limpos, infelizmente não valia muito a pena por aqui, isso mudou agora, com certeza – nos últimos dez anos, mais ou menos. Foi uma grande mudança. Quando fazemos essas turnês, também estamos voltando no próximo ano. Serão quatro turnês em quatro anos. Isso é porque finalmente está funcionando estar aqui para nós “.

Sobre a formação de HAMMERFALL em 1997, numa época em que o metal melódico era considerado não-unido:

Oscar: “O clima aqui foi muito pior por muito mais tempo, mas foi muito ruim primeiro na Suécia e no início dos anos 90 para esse tipo de música. Quero dizer, levou a virada dos milênios onde começou a ganhar mais reconhecimento na Suécia também. A razão pela qual eu comecei o HAMMERFALL é simples: eu queria tocar a música que eu mais amo. Era o que era. Eu não tinha aspirações. Não tinha objetivos. ou qualquer coisa, eu só queria fazer ótimas músicas que eu apreciasse com meus amigos que também gostam do mesmo tipo de música. Essa foi a coisa toda com o HAMMERFALL “.

Sobre a recepção do novo álbum de estúdio da banda, “Dominion”:

Oscar: “Tem sido muito bom. Este é o nosso 11º álbum, então você acha que nos acostumaremos com isso de alguma forma. É sempre assim – você escreve músicas, investe tempo e esforço e paixão e tudo o que tem nelas, gravações e tudo, e quando isso é feito, você não pode mudar nada, mas ainda não sabe como as outras pessoas vão reagir quando ouvirem. Eu sempre acho que fizemos um bom trabalho, mas eu nunca sei o que as outras pessoas vão pensar.nQuando o álbum é lançado, há alguns singles antes e vídeos e outras coisas, você pode mostrar para onde estávamos indo. As pessoas foram muito receptivas a esse álbum com certeza. O melhor é que, quando terminamos, tenho certos sentimentos a respeito. Assim, acho que é bom por esse motivo, e parece que as pessoas ouviram as mesmas coisas que ouvi no álbum “.

Sobre por que a Suécia produz tantas bandas de hard rock e heavy metal de qualidade:

Oscar: “Eu realmente não sei por que isso acontece. Eu apenas conheço os fatos e há muitas bandas saindo da Suécia, e o que eu acho que é a coisa mais importante sobre todas essas bandas é a sua individualidade. Porque você pode continuar tendo as bandas que você mencionou, você pode continuar com o SABATON, ou IN FLAMES, e DARK TRANQULLITY, AT THE GATES, HARDCORE SUPERSTAR, EVERGREY. É um monte de bandas de diferentes gêneros, mas todas soam únicas à sua maneira. Não soa como outras bandas vindas da Suécia. Acho que a individualidade é o que separa as bandas suecas do resto do mundo. “