Faces of Death: Sylvio Miranda, Sidney Ramos, Laurence Miranda e Felipe Rodrigues

A trajetória do FAces of Death teve início na década de 90 em Pindamonhangaba. O line-up original, formado por Laurence Miranda (guitarra e vocal), Victor Hugo (baixo) e Flávio (bateria), durou 7 anos e lançou 2 demo tapes: “Demo” (1994) e “Retrocession” (1996). 

Após um hiato de 20 anos longe dos palcos a banda retornou totalmente reformulada e vem trabalhando como nunca, tendo lançado em 2017 o EP  “Consummatum Est” (2017) e o ‘debut album’ “From Hell” (2018), e mais recentemente o rolo compressor “Usurper Of Souls“.

Já tive o prazer de dividir o palco com estes “senhores” e sem dúvida, competência e profissionalismo são sinonimos desta banda que faz um thrash metal direto, bruto e com muita agressividade sem deixar de lado melodias e grooves extremamente envolventes.

Formada atualmente por Laurence Miranda(guitarra e voz) Sylvio Miranda (baixo) Sidney Ramos (bateria) e Felipe Rodrigues (guitarra) o Faces of Death traz em seu novo material um trabalho maduro e de muito bom gosto, que mostra que o tempo parado ajudou muito no crescimento da banda.

Pesada e sanguinolenta a faixa título traz também muito groove e belas passagem de violão já apresentando ao ouvinte o que virá a seguir.

Nas faixas seguintes “Empty Minds”, “Deep Agony” e “Monster Medium” temos uma verdadeira aula de palhetada, com a mão direita infernal e precisa de Laurence comandando um pelotão de fuzilamento sonoro, mudanças de andamento impecáveis da cozinha formada por Sidney e Sylvio, que na ultima apresenta uma linha de baixo belíssima.

“Faith or Fear” abre com dedilhado muito elegante dando o tom para o resto do instrumental que vai entrando aos poucos até dar inicio a mais pancadaria onde mais uma vez temos riffs de guitarra precisos e grooves muito bem executados.

As faixas seguintes não deixam a bola cair e continuam o alto nível de agressividade com muita quebradeira rítmica e alternâncias de andamento. É um disco “curto e grosso” sem firulas e que não tem intensão de agradar ouvidos sensíveis e a produção do disco deixou tudo muito equilibrado.

Vale destacar também a impressionante arte da capa, que foi desenvolvida por Marcelo Vasco, que já criou artes para lendas como Slayer e Kreator (entre inúmeras outras), além de ser guitarrista das bandas The Troops Of Doom e Patria.