Embora a violência e brutalidade possa parecer intrínseca ao gênero Death Metal, um novo estudo conduzido pelo Laboratório de Música de Sydney, na Universidade Macquarie, na Austrália, apresentou algumas descobertas surpreendentes do impacto emocional do gênero, o que com certeza não é nenhuma novidade aos amantes do gênero.

Como parte de um estudo de décadas sobre os efeitos emocionais da música nas pessoas, 32 fãs de death metal e 48 não fãs do gênero foram alistados, sendo submetidos a imagens neutras ou a imagens violentas enquanto ouviam a música “Eaten”, do BLOODBATH ou a música “Happy” de Pharrel Williams.

Como parte do teste, os pesquisadores também procuraram descobrir se os fãs do death metal estavam insensíveis à violência – ou pelo menos a imagens violentas – através do conceito de rivalidade binocular. Em última análise, o estudo descobriu que ouvir death metal trouxe uma resposta emocional de alegria e empoderamento, como Prof. Bill Thompson disse à BBC:

“A resposta emocional dominante a essa música é alegria e empoderamento. E eu acho que ouvir essa música e transformá-la em uma experiência poderosa e bonita é uma coisa incrível ”.

O vocalista Nick Holmes (BLOODBATH e PARADISE LOST), também analisou as descobertas do estudo e a música de sua banda ser usada para este feito:

“A maioria dos fãs de Death Metal são pessoas inteligentes, que pensam e têm paixão pela música. É o equivalente a pessoas que são obcecadas por filmes de terror ou até mesmo encenações de batalhas.”

Saiba mais sobre BLOODBATH.

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.