O cantor, compositor e produtor canadense Devin Townsend conversou com a Metal Blast sobre como ele está lidando com a pandemia do coronavírus. Ele disse (também disponível no vídeo abaixo):

“Sou um híbrido de muitas coisas. Estou bem ciente do caos e da ansiedade que isso trouxe à minha vida, estando rodeado de pessoas vulneráveis, mais velhas. Tenho filhos (…) Ter que articular o trabalho, a incerteza de tudo, o discurso político e social tão tóxico, todas essas coisas resultam em uma mentalidade de que eu poderia me desculpar por sentir que tudo está perdido. No entanto, não me sinto assim. Sinto-me extremamente grato por coisas que talvez considerasse certas no passado. E isso também se estendeu ao público. Sou tão grato por esta carreira que fiz que fui o mais longe que pude para tentar e criar o máximo de conteúdo bom e tentar torná-lo algo que eu possa fornecer, com meu conjunto de habilidades, algo que ajude em vez de atrapalhar durante esse período para outras pessoas. Mas não é fácil.

“Outro dia, eu estava trabalhando em algo – estava fazendo um podcast ou algo assim; uma das coisas com que estava trabalhando – e enquanto estava gravando, simplesmente adormeci”, revelou. “Isso é exatamente o que acontece agora … E eu percebi que há essa ansiedade sussurrante que permeou todas as nossas vidas que, embora eu me sinta muito grato e muito capaz de lidar da maneira que aprendi a fazer, essa ansiedade em minha vida está nas alturas – como todo mundo.

“Então, é estranho. É uma pergunta difícil para eu responder, porque todos os sinais indicam que eu deveria me sentir o pior que já senti, mas não sinto.”

Devin, que sempre foi aberto sobre seus problemas de saúde mental, confirmou que as coisas não foram fáceis para ele enquanto estava em quarentena.

“Eu luto, mas acontece em ciclos de três dias”, disse ele. “É por isso que tem sido interessante, porque eu fico por três dias onde fico, tipo, ‘Deus, eu não consigo. Eu não consigo.’ E então, de repente, eu consigo.

“Eu acho que o que é realmente importante trazer à luz em termos de lutas mentais e consequências disso, o que vai resultar em muitas doenças mentais, eu acho, é que também há essa facção da sociedade que, quando você pergunta a eles como estão se saindo durante esse período, e eles respondem rapidamente: “Nunca estive melhor. Estou indo muito bem. Este é o melhor que já fiz”. Sei que alguns amigos meus dizem isso; muitas pessoas dizem isso para mim. E acho que talvez estejam projetando um pouco e talvez não estejam levando em consideração, ou sendo honestos. E acho que um dos maiores problemas em lidar com uma sociedade que está lidando com esses problemas mentais é quando minimizamos o quão intenso isso é.

“Acho que não há problema em ficar deprimido e acho que não há problema em ficar desanimado de vez em quando, independentemente de você ter ou não predisposição para doenças mentais, porque esta é uma situação deprimente e desanimadora para muitas pessoas , e permitir-se sentir isso é realmente importante “, acrescentou. “Mas também, simultaneamente, não se permitir ficar tão envolvido nisso a ponto de ficar chafurdando. E as maneiras que descobri para administrar isso são meditação e exercícios, e a consciência de que não estou sozinho nisso. E se essa pessoa é capaz de sobreviver, então eu também sou. E isso ajuda. “

Rede Metal no Instagram:

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.