DARK ASYLUMLeonardo “Babyface”, Aparício “Dark” Neto, Vilmar “The Teacher” Gusberti,  Jonas “Devil’sEverson Krentz (formação que gravou o disco)

Formada em 2003 em Porto Alegre, a banda gaúcha Dark Asylum esteve parada desde 2008 e somente agora lançou seu primeiro registro, o EP Deep In The Madness”, gravado em 2007.

O temos aqui é um trabalho que com certeza tem muito potencial e que vai agradar em cheio os fãs mais “trues” de heavy metal, pois é um material bem direto, sem muitas firulas e algumas influências de thrash que são sempre bem vindas.

Sobre o material em si temos 5 faixas de muita energia e que agradam logo de cara. Talvez com uma produção mais cuidadosa os instrumentos soassem de forma mais equilibrada. Em “Factory of Fools” temos um inicio pesado e poderoso com as guitarras em dobra e a cozinha marcando o rítmo. Logo entramos num groove interessante com o baixo se destacando. As linhas vocais entram junto a levada quebrada dos demais instrumentos. Quase um “prog true”

Após uma intro bem pesada, em “Final Link” o vocalista  Aparício “Dark” Neto mostra toda sua versatilidade numa passagem mais clean curta, mas ao mesmo tempo, muito bem encaixada. Particularmente achei a melhor faixa do disco em questão de equilíbrio dos instrumentos.

“Feel the Heat” e “Highest Force” são duas pauladas do início ao fim e mostram um entrosamento incrível entre os músicos (os que gravaram o disco já que a formação atual conta com  William “The Axe Murderer” Leite e Ângelo “Angel of Death” Gobbi nas guitarras, John “Doomslayer” Xavier no baixo e Peter “Samurai” Pavan na bateria, além do vocalista Aparício) além de serem as mais rápidas e diretas dos disco.

Apesar de meio clichê a banda soube dosar e utilizar todos esses elementos de forma bem inteligente, se considerarmos que se trata de um material gravado no final da primeira década do ano 2000. Infelizmente isso acaba fazendo com que tudo fique extremamente datado. Talvez uma repaginada teria dado uma sonoridade mais contemporânea ao material.

No entanto, isso não significa, nem de longe que o material seja ruim, muito pelo contrário, tem potencial de sobra, e acredito que a banda resolveu lançar agora este material, justamente para deixar o registro e se reconectar com o público.

Outro detalhe que não posso deixar de mencionar, é que o material físico juntamente com o release da banda nos foi enviado via correio e que, mesmo sendo bem simples, trouxe todas as informações necessárias sobre a banda. A assessoria está de parabéns!!