Chegando em seu sexto disco de estúdio a banda de black metal sinfônico Carach Angren mantem a pegada dos discos anteriores e não decepciona.

Assim como todos os discos anteriores, com temáticas voltadas para histórias e lendas sobre monstros e fantasmas, “Frankenstein Strataemontanus” fala obviamente sobre o monstro criado por Mary Shelly em 1816.

O contrário de outras bandas do estilo o Carach Angren utiliza com criatividade e inteligência os elementos sinfônicos em suas música, que neste disco aparecem de forma mais atmosférica criando um ambiente macabro, quase teatral.

Outro detalhe que destaca o Carach no meio é a riqueza e criatividade da parte lírica das composições que acompanham o altíssimo nível da parte instrumental, criando um material por vezes assustador em diversos aspectos

Um detalhe muito interessante do disco fica por conta do vocalista Seregor que utilizou muitas vezes as linhas limpas em algumas faixas, o que torna impossível não perceber uma provável mudança no direcionamento em seus próximos trabalhos.

Talvez os fãs mais antigos da banda não curtam o disco, por não ser tão capetônico como os anteriores. Confesso que não conhecia muito sobre a banda e esta resenha foi feita após uma audição cuidadosa de toda a discografia da banda e eu particularmente gostei muito da evolução sonora da banda.