Em matéria para o site Loudwire, Leif Edling, líder do Candlemass fala sobre a volta de Johan Längquist, Black Sabbath e claro sobre o novo álbum da banda “The Door Of Doom” que será lançado em 22 de fevereiro.

Levou mais de 30 anos, mas Johan Längquist finalmente se tornou um membro efetivo do Candlemass. Houve múltiplas tentativas de efetivá-lo em períodos diferentes da banda – Porque as tentativas anteriores falharam e como isso finalmente deu certo?

Primeiramente Johan não quis. Ele tinha sua própria banda o Jonah Hex (nota do tradutor: a banda na verdade se chamava Jonah Quizz) na época e eles iam bem na cena dos clubes do norte de Estocolmo. Eu acho que ele só fez um favor ao nosso antigo baterista Matz Ekstrom ao cantar em Epicus. Em 1992 quando Messiah saiu, Johan tentou, mas estávamos procurando por um cantor com um alcance mais agudo (Johan chegou a gravar algumas demos do álbum Chapter VI, mas a banda escolheu Thomas Vikström para substituir Messiah). A terceira e última tentativa felizmente foi bem sucedida. Talvez fosse a hora certa? Mais uma volta no quarteirão? Fechar o ciclo? Voltar às raízes? Estou muito feliz por ele fazer parte do Candlemass 32 anos depois. Será um bom ano.

Candlemass

Tony Iommi, obviamente é sua principal influência, ele tocou um solo em uma das novas faixas. Você tinha um relacionamento anterior com ele e como essa colaboração aconteceu?

Eu tenho sido um grande fã do Sabbath desde quando “Paranoid” foi lançado, e a maioria das coisas que eu faço e escrevo é por causa do Tony Iommi. Ele é o pai dos riffs! Será para sempre! Se me perguntar, tudo se resume ao riff. Sem um bom riff, você está preso no departamento da mediocridade. Tony Iommi é o rei do Riff e o mundo sabe disso.

Só de ele considerar tocar em uma das minhas músicas já seria um sonho se tornando realidade. Eu me sinto muito abençoado, e te digo, manter minha boca fechada por um par de meses tem sido horrível. Eu só queria gritar para todos ouvirem! O Candlemass estava prestes a sair em turnê com o Sabbath em algum momento de 1990, então ele poderia lembrar disso. Eu não sei por que não aconteceu. Talvez ele também saiba que eu sempre tive um grande respeito pelo Sabbath, e talvez até tenha ouvido que eu tenho uma extensa coleção de Vinis, pôsteres, memorabilia, não sei, mas estou incrivelmente feliz por ele querer tocar em “Astorolus”!

Enviamos a música ao seu empresário e recebemos uma resposta positiva. Às vezes você tem que pensar alto. Nunca se sabe…

Você sabe se Iommi ouviu seu Medley do Black Sabbath?

Não tenho idéia, não são exatamente as melhores versões do Black Sabbath já gravadas. Mas funcionou ao vivo. Provavelmente deveria ter ficado assim .

Desde o lançamento de Psalms for the Dead, o Candlemass esteve limitado a lançar EPs. Por que um álbum completo não esteve nos planos nos últimos anos e o que o levou de volta a esse caminho para The Door to Doom?

Eu esperava que o EP “Death Thy Lover” levasse a um álbum completo, mas estava claro que minha saúde não permitiria isso. Eu não acho que a banda estivesse pronta também. Um EP é uma boa maneira de mostrar às pessoas que você está vivo, na verdade. Não é preciso mais do que um fim de semana para gravá-lo e ele oferece a promoção e a atenção que você deseja e precisa.

Dezoito meses atrás, visitei um velho amigo que morava em Malta. Ele é um grande acionista de um grande cassino na internet. Michael sugeriu que deveríamos nos juntar para um novo jogo e achei que era uma ideia brilhante. Isso foi antes do Metal Casino (jogo online). Nós tivemos um monte de idéias malucas durante os dias que passei lá. Essa aventura maltesa levou à música e ao jogo “House of Doom”. Também levou a uma nova energia para escrever músicas, levando o Candlemass mais uma vez ao estúdio para gravar um álbum. Levou seis meses para fazer House of Doom, e levou um ano para gravar The Door to Doom. Mas valeu a pena todo o trabalho. O álbum é um dos nossos melhores!

Vocês vão abrir alguns shows do Ghost na Europa. Em uma época em que o novo heavy metal está amplamente baseado em extremidades, o Ghost é exatamente o oposto. Que efeito você acha que eles terão na próxima geração de artistas de metal?

Ghost foi a primeira banda de metal que eu conheço que combinou os riffs do Mercyful Fate com melodias pop. Eu acho que eles são totalmente geniais! Boas músicas, grandes harmonias – não é fácil injetar vida nova em um gênero chato e obsoleto como a cena do metal. Mas eles fizeram isso. Banda fantástica ! Tenho certeza de que muitas novas bandas interessantes seguirão seu caminho.

Agora a pergunta mais difícil – Qual o seu álbum favorito do Black Sabbath?

Essa é complicada! Mas como eu sempre digo – Sabbath Bloody Sabbath. Não só pelo seu auge criativo, como por ser a melhor capa de todos os tempos.

Veja, abaixo, a capa e a tracklist do álbum “The Door To Doom”:

The Door to Doom
1.Splendor Demon Majesty05:29
2.Under the Ocean06:13
3.Astorolus – The Great Octopus06:42
4.Bridge of the Blind03:44
5.Death’s Wheel06:51
6.Black Trinity06:05
7.House of Doom06:27
8.The Omega Circle07:17

Saiba mais sobre CANDLEMASS.

Fã de sludge/stoner/doom e bandas pontuais de várias outras vertentes. Paulistano esperando a volta segura de shows, fã de uma boa competição, seja ela qual for. Aqui na Rede Metal faz curadoria e publicação de conteúdo e toda parte administrativa e estratégica.